As Rosas Mortas

As Rosas Mortas
recenseador: Urbano Tavares Rodrigues, 1998
Apreciação:
As Rosas Mortas é dos romances mais empolgantes que tenho lido ultimamente. A personagem de Marisa, mulher independente e livre, ligada à natureza por raízes mágicas, apaixonada e arisca nas relações amorosas, não encontra paralelo noutros romances portugueses contemporâneos. É, aliás, com o cinema, com as novelas góticas anglo-saxónicas e com os actuais e recentes escritores americanos que Ana Teresa Pereira mais se aparenta

Em As Rosas Mortas a paisagem da Ilha da Madeira e em especial do Funchal, suas árvores tropicais, jardins secretos, palacetes em ruína, são o cenário de uma história passional, em que Marisa tem primeiro uma relação erótica com Paulo, um jovem original, enamorado e louc, e depois com Miguel, o psiquiatra que o trata e que por ela vai deixar mulher e filhos, descurar a profissão, entrar em decadência

Marisa continuará, feiticeira da noite, a acarinhar rosas, plantas, animais, na sua rota mágica através dos dias e dos homens

O estilo de Ana Teresa Pereira tem a sedução do insólito e a marca de uma sensibilidade apuradíssima.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s